NOTA À COMUNIDADE ACADÊMICA: Preocupações sobre o aumento de Casos de COVID-19

22/11/2022 18:02

A PROGRAD preocupada com as últimas informações oficiais sobre a elevação dos Casos de Covid-19 gostaria de reafirmar a toda comunidade universitária que a UFSC permanece na Fase 3 do plano de combate à Pandemia de Covid-19 no ambiente universitário, devendo ser mantidos os Protocolos de Medidas de Biossegurança de Enfrentamento à COVID-19, exceto pela atualização que permitiu o uso facultativo das máscaras*, conforme   RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 171/2022/CUn, de 11 de outubro de 2022.

Frisa-se que a flexibilização do uso das máscaras não alcança as pessoas que desenvolvem atividades em ambientes fechados (salas de aula, inclusive), nos quais não seja possível manter distanciamento físico de um metro ou não exista ventilação natural.

Neste sentido, solicitamos ampla divulgação e manutenção das referidas medidas, compiladas pela Auditoria Interna –AUDIN, conforme tabela abaixo:

Recomendações à UFSC Medida a ser adotada
1.       Utilizar máscaras nos ambientes fechados da UFSC* Utilização de máscaras dentro das salas de aula*
2.        Praticar o distanciamento social e evitar aglomerações Distanciamento das carteiras dentro das salas de aula
3.       Higienizar as mãos, as superfícies de trabalho e atender a etiqueta respiratória. A disponibilidade de porta-álcool abastecido e em funcionamento
4.        Manter os ambientes arejados Utilização de janelas abertas nas salas de aula
5.       Atentar-se aos sintomas de COVID-19 e comunicar à chefia imediata e/ou professor em caso de indícios/sinais Averiguar a colocação de cartazes com instrução sobre os sintomas e as medidas de proteção no combate à COVID-19 nas portas de entrada, mural e/ou corredores.
6.       Isolar-se em caso de suspeita da doença e procurar atendimento médico Conforme orientação da PROGRAD

Fonte: Audin

*As exceções servem para pessoas que apresentem sintomas gripais ou que tiveram contato com caso suspeito ou confirmado de covid nos últimos sete dias; para quem possui fator de risco de agravamento da doença, tal como idade superior a 60 anos, obesidade ou imunossupressão, entre outros. A flexibilização também não alcança as pessoas que desenvolvem atividades em ambientes fechados nos quais não seja possível manter distanciamento físico de um metro ou não exista ventilação natural – por meio de ao menos duas aberturas – ou fluxo de ar por ventilação forçada.